Humanização na saúde: como a arquitetura pode contribuir?

O atendimento humanizado na área da saúde é um conceito abrangente, que pressupõe uma postura acolhedora em todos os momentos de contato com o paciente. O espaço físico, seja uma clínica especializada ou um hospital, também é elemento importante do acolhimento, devendo ser estruturado para oferecer conforto e transmitir tranquilidade.

As primeiras impressões de quem frequenta instituições de saúde vêm do ambiente. A iluminação, as cores, o controle de ruídos, a amplitude dos espaços, o equilíbrio térmico e a acessibilidade, entre outros elementos, ajudam a construir as percepções iniciais. Portanto, a arquitetura hospitalar é fundamental para o processo de humanização na saúde. 

Aspectos relacionados ao bem-estar

Na arquitetura hospitalar, a humanização busca oferecer bem-estar e segurança em todos os ambientes. Esse objetivo está presente em cada escolha, desde a construção da edificação até a inclusão dos revestimentos. Os elementos são sempre alinhados ao propósito.

Entre os principais aspectos vinculados ao bem-estar das pessoas em instituições de saúde, destacamos quatro pontos que fazem a diferença no projeto e elevam as sensações positivas sobre o local. 

Iluminação e cores

As luzes e as cores devem trazer conforto visual para pacientes, familiares e funcionários. Além de optar por uma paleta de cor capaz de transmitir serenidade, é fundamental ter um bom projeto de iluminação, respeitando as características de cada espaço — áreas de descanso e repouso, por exemplo, podem ter mais pontos de iluminação indireta do que direta (esta, mais adequada para salas de exame ou consultórios, onde há maior necessidade de observação aos detalhes).

O projeto de iluminação deve contemplar, ainda, a incidência de luz natural, por meio de portas, janelas e até claraboias. Esse é mais um recurso que aumenta a sensação de conforto visual e gera benefícios para a saúde como um todo, pois o contato com a luz solar é uma necessidade biológica, auxilia no controle do estresse e melhora a qualidade de vida.

As portas automáticas contribuem para essa finalidade. Quando fabricadas em vidro, favorecem a entrada de luz natural, valorizando o projeto de iluminação. Entretanto, é possível utilizar outros materiais com o objetivo de gerar conforto visual. A madeira é outro elemento compatível com esse intuito, pois pode ser combinado com as cores e a iluminação do ambiente para gerar a sensação de acolhimento. 

Conforto térmico e sonoro

A climatização e o controle de ruídos são outros aspectos que devem ser considerados em projetos de arquitetura para a área da saúde. Respeitar o equilíbrio térmico e sonoro é um fator indispensável para a humanização desses espaços. É válido ressaltar que calor ou frio excessivos e barulho constante incomodam qualquer pessoa, mas são ainda menos toleráveis para quem está debilitado, sentindo dores ou necessitando de repouso. 

O sistema de climatização deve ser planejado considerando a importância de oferecer uma temperatura estável em relação às necessidades humanas. E, claro, deve ser silencioso e conter mecanismos que melhorem a qualidade do ar, como os equipamentos mais modernos já fazem.

Em relação ao ruído, é interessante identificar onde estão os equipamentos que emitem sons mais elevados e incômodos. Nesses espaços, o isolamento acústico pode ser necessário. Por exemplo, em salas de exames como radiografia, tomografia e ressonância magnética.

Incluir portas automáticas no projeto é uma estratégia inteligente para controlar a variação de temperatura e a incidência de ruídos no ambiente. Por abrirem e fecharem de forma autônoma, as portas automáticas diminuem o tempo de exposição ao clima e ao barulho externo. É possível, ainda, desenvolver portas automáticas com vidro insulado, garantindo isolamento acústico e maior conforto térmico.

Acessibilidade

É impossível falar em humanização na área da saúde sem abordar a importância da acessibilidade. Toda a edificação deve ser acessível, privilegiando a circulação de qualquer pessoa em qualquer situação. Dessa forma, é fundamental incorporar elementos como rampas de acesso de tamanho e altura adequados, barras de apoio, sinalização visual e tátil, entre outros recursos.

Há, ainda, os elevadores e as portas automáticas, que são essenciais para a acessibilidade, pois facilitam a circulação de pessoas com dificuldades motoras ou mobilidade reduzida, viabilizando, também, o deslocamento de cadeiras de rodas e macas. Tanto elevadores quanto portas automáticas devem ser desenvolvidos por empresas especializadas para garantir que os equipamentos tenham tamanho, sensores e tipo de abertura compatíveis com as necessidades das pessoas. 

Contato com a natureza

Promover a integração entre ambiente interno e externo é outra solução que contribui para a humanização na área da saúde. É o caso, por exemplo, de uma sala de espera que tem acesso a um jardim, onde é possível ter contato com a natureza e a luz do dia. Cada vez mais, os projetos de arquitetura buscam essa conexão, que gera bem-estar e conforto em todos nós.

Há inúmeras maneiras de promover o contato com a natureza. A integração entre áreas internas e externas pode ser feita de forma muito eficiente utilizando portas automáticas. 

Existem cada vez mais soluções para promover a humanização na saúde e a arquitetura hospitalar sempre estará atenta às mais inovadoras e eficazes.

Na hora de incluir portas automáticas hospitalares no projeto, é importante considerar diferentes aspectos que vão potencializar ainda mais esse investimento. Continue no nosso blog e saiba o que avaliar no orçamento de portas automáticas hospitalares.

Leave a Reply

Your email address will not be published.